Quinta-feira, 8 de Setembro de 2011

Timor-Leste: MARI ALKATIRI PEDE A PM XANANA GUSMÃO PARA SE DEMITIR

DESTAK - LUSA
 
O secretário-geral da FRETILIN, Mari Alkatiri, criticou hoje a atuação do Governo timorense e pediu ao primeiro-ministro, Xanana Gusmão, para apresentar a demissão.
 
 “(…) Eu peço ao irmão Xanana para se demitir a fim de salvar este Governo da corrupção. Se não o fizer, então está apenas a estragar o dinheiro do povo Maubere”, afirmou Mari Alkatiri, no início do III Congresso Nacional do partido, pedindo às pessoas para respeitar o passado de Xanana Gusmão, porque é património da FRETILIN.
 
Segundo Mari Alkatiri, assiste-se ao enriquecimento repentino de alguns grupos de pessoas, enquanto os “pobres estão cada vez mais pobres”.
“Na semana passada, neste mesmo local, Centro de Convenções de Díli, o irmão Xanana reconheceu que o dinheiro do orçamento deste Governo, de facto, anda a voar como um foguetão da NASA”, disse Mari Alkatiri.
 
“Este congresso é para reforçar a democracia, mas reforça também a paz, a estabilidade para libertar o povo pobre e frágil, não através de distribuir dinheiros, mas com um plano e programa", afirmou Mari Alkatiri.
 
Para o dirigente, o plano e o programa passam pela existência de um bom sistema de saúde e de educação.
 
“Não é como agora, um sistema de educação desorganizado (…), que provoca a discriminação das crianças e não corresponde ao sistema de educação no futuro”, disse.
 
Segundo Mari Alkatiri, “outro caminho para libertar o povo” é através da construção de infraestruturas, mas programadas e planeadas.
 
“Estamos a falar sobre o dinheiro do povo e por isso nós temos de melhorar a vida do povo e não se pode estragar o dinheiro do povo (…)”, disse.
 
Neste congresso, que termina no domingo, a FRETILIN vai escolher os candidatos às presidenciais e legislativas do próximo ano.
Por Zito Soares às 15:45
| Comentário

Timor-Leste: INDONÉSIA VAI ESFORÇAR-SE PARA ENTRADA DO PAÍS NA ASEAN

ANGOLA PRESS
 
Díli - O presidente do partido indonésio Golongan Karya (GOLKAR, na coligação no poder na Indonésia), Aburizal Baktrie, disse hoje que a Indonésia vai esforçar-se para a entrada de Timor-Leste na Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).  
 
"O partido Golkar vai esforçar-se para o Estado indonésio possibilitar a Timor-Leste a aderir brevemente à ASEAN", afirmou, num discurso na sessão de abertura do III Congresso da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (FRETILIN).  
 
Segundo Golongan Karya, a entrada de Timor-Leste na ASEAN vai ser "favorável para a política regional e para a cooperação entre as autoridades timorenses e as nações amigas do sudeste asiático".  
 
Timor-Leste entregou em Março o pedido formal de adesão à ASEAN.  

Em Agosto, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste, Zacarias da Costa, disse à Lusa esperar que a decisão de entrada do país na ASEAN seja tomada em Novembro, durante a cimeira de líderes daquela associação, que vai decorrer em Bali, Indonésia.
Por Zito Soares às 15:44
| Comentário

Quem derrubou as torres em Nova Iorque?

RUI MARTINS, Berna - DIRETO DA REDAÇÃO
 
 
Berna (Suiça) - No 11 de setembro de 2001, ainda na CBN, eu comentava ao vivo diante de minha televisão, aqui em Berna, na Suíça, o ataque às torres gêmeas com Heródoto Barbeiro, em São Paulo, e Sidney Rezende, no Rio.
Pouco antes, estava terminando de almoçar e ouvia a rádio francesa Europa 1. Nessa época, ouvir os noticiários pelo rádio fazia parte da minha rotina diária, para garantir entradas imediatas na CBN, no caso de acontecimentos políticos, acidentes, atentados.
Foi assim que ouvi as primeiras notícias transmitidas num flash, dando conta de que um avião, ao que parecia desviado da rota, entrara num edifício de Nova Iorque. Logo depois, o correspondente nos EUA entrou ao vivo e fui correndo ligar a televisão quando ele anunciou que um outro avião entrara na segunda Torre Gêmea.
Era algo inacreditável, aquela fumaça de querosene em dois edifícios simbolos da força americana. Heródoto, comedido como sempre, não se aventurava a falar em atentado, queria primeiro esperar a confirmação. Eu e Sidney (não sei se a CBN guardou a gravação do programa) não tínhamos dúvida. E me lembro ter afirmado que, fazia alguns dias, um líder islamita prometera atentados nos EUA. Mas não me vinha o nome completo daquele acabaria se tornando o pesadelo dos americanos.
É alguma coisa como Ossuma. E Sidney Rezendo completou – é Ossuma Ben Laden. Alguns dias depois, a direção da CBN decidiu que a pronúncia certa seria Ossuma Bin Laden.
De repente, enquanto cada um ia fazendo seus comentários, ocorreu a queda das torres como numa implosão de velhos edifícios. E, ali, pronunciei o seguinte comentário, diante do que me parecia óbvio - « mas pelo visto, além de terem entrado nas torres com os aviões, eles tinham minado antes os prédios com explosivos colocados nos andares ».
Nos dias seguintes, fiquei com a impressão de ter dado um fora, porque nenhuma autoridade americana falou na hipótese dos explosivos, e me contentei com a versão oficial.
Mas, algum tempo depois, li alguns depoimentos levantando estranhas hipóteses, pelas quais os atentados teriam de certa forma sido ajudados, dando-lhes uma dimensão ainda maior. Ignorei, mesmo porque sei da tendência dos americanos de verem em tudo um complô ou mentiras, como é a história da ida do homem à Lua e mesmo do vôo do Gagarin.
Porém, hoje, dez anos depois, tem muita gente séria levantando dúvidas, geralmente engenheiros que entendem de resistência de material ao fogo e altas temperaturas. Assim, dizem que o querosene saído dos aviões queima a uma temperatura de 850 graus centígrados, mas que o metal das torres podia suportar calor de 1.250 graus, antes de fundir.
Como onde tem fumaça, há certamente fogo, nessa história de complô para derrubar as Torres Gêmeas, o melhor, para evitar o risco de abuso por esquerdistas ou antiamericanos, seria esperar surgir alguém não político. Ora, justamente, existe um, suíço, professor de História na Universidade de Basiléia. Seu nome Daniele Ganser. Ele diz ter ficado com a pulga atrás da orelha, três anos depois, em 2004, ao ler o relatório oficial da Comissão de Inquérito sobre esses atentados.
Depois de ler o calhamaço de mais de 500 páginas, Ganser não se convenceu, achou falhas, e muitos argumentos destinados a reforçar os ataques ao Iraque, Afganistão, ao islamismo e ao Eixo do Mal apontado pelo cristão Bush. Três mil mortos de um lado, centenas de milhares do outro.
Ganser ficou também impressionado pelo fato da torre 7, do World Trade Center, a WCT7, não constar do documento, embora tivesse caído como um castelo de cartas no fim da tarde do 11 de setembro, e o mais estranho, sem ter sido tocada pelos aviões.
Esse esquecimento da WTC7 não foi só do inquérito, muitas pessoas acham terem sido só duas, as Torres Gêmeas, as que foram ao chão. Se já era estranho as gêmeas terem desmoronado, mais estranho é o fato de um prédio de 43 andares ruir, sem ter sido incendiado e sem ter sido atingido por aviões.
Hugo Bachman, professor de material numa universidade de Zurique acredita que, a maneira pela qual caíram de maneira imediata todos os andares dos prédios, só tem uma explicação – a queda dos prédios foi controlada por explosivos, como se costuma fazer, e se vê na televisão, com os prédios antigos implodidos.
Além disso, o professor de economia Marc Chesney, da Universidade de Zurique, revela ter havido um jogo na bolsa de valores, um dia antes dos atentados, envolvendo as ações das companhias United Airlines e American Airlines, cujos aviões foram sequestrados, e que representaram milhões ou bilhões de dólares, coisa nunca investigada.
Parece também terem sido informados, a tempo, tanto o governo como a CIA, sobre a preparação dos atentados, por que, então, não foram inteceptados os terroristas antes de colocarem em prática o aprendido nas escolas de pilotagem ?
Resta a pergunta, no caso desses indícios provarem ter havido ajuda aos terroristas para completar seus atentados, sobre quem teria tomado essas iniciativas. Se o objetivo era provocar guerras, uma coisa ficou provada – a intervenção no Afganistão e a guerra contra o Iraque beneficiaram amplamente as indústrias de armamentos, porém tiveram efeito boomerangue.
Os EUA de hoje com crise econômica e dólares em baixa acabaram sendo também vítimas da guerra contra o Eixo do Mal, decretada por Bush, pelas enormes despesas representadas. Serão necessários ainda alguns anos para se saber com certeza se houve um complô paralelo no 11 de setembro de 2001, cujo objetivo era criar condições junto à população dos EUA para guerras contra os islamitas, transformados em representantes do Mal, e poder se apossar do petróleo do Iraque.
* Jornalista, escritor, ex-CBN e ex-Estadão, exilado durante a ditadura, é líder emigrante, ex-membro eleito no primeiro conselho de emigrantes junto ao Itamaraty. Criou os movimentos Brasileirinhos Apátridas e Estado dos Emigrantes, vive em Berna, na Suíça. Escreve para o Expresso, de Lisboa, Correio do Brasil e agência BrPress
Por Zito Soares às 10:58
| Comentário

»Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

»Posts Recentes

» Que substituirá a Social-...

» Timor-Leste: MARI ALKATIR...

» Timor-Leste: INDONÉSIA VA...

» Quem derrubou as torres e...

» De St. Austell para Oxfor...

» Os encantos de Coimbra

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

»Arquivos

blogs SAPO

»subscrever feeds