Sexta-feira, 18 de Maio de 2007

Relatório da LABEH sobre a corrupção

ONG LABEH – Lalenok ba ema hotu, disse no seu relatório sobre a corrupção tornado, ontem, público de que em Timor existe corrupção de escala pequena em comparação com outros países da região. A das razões que sustentam esta conclusão é de que em Timor há pouco dinheiro. Sustenta também de que as instâncias judiciais devem fazer mais para saber o que se passa no que diz respeito a corrupção.

 

___________________________

 

 

Díli, 17 Mai (Lusa) - O nível de corrupção em Timor-Leste existe apenas em "pequena escala", não sendo igual ao de outros países do Sudeste Asiático, assinala um relatório apresentado hoje pela organização não- governamental timorense LABEH.

 

"Existe corrupção em pequena escala, talvez porque não há muito dinheiro" no país, afirmou à Lusa Cristopher Henry Samson, director da organização LABEH (Lalenok ba Ema Hotu, "Um Espelho para o Povo").

 

O relatório hoje apresentado pela LABEH, perante o primeiro-ministro cessante José Ramos-Horta, cobre os primeiros cinco anos de independência do país e apresenta uma lista de casos (cerca de 40) que a organização pediu à Procuradoria-Geral da República e à Provedoria de Direitos Humanos e de Justiça para investigar.

 

"Temos algumas indicações de corrupção em alguns ministérios e preocupa-nos que não foi feito tudo o que se podia, sobretudo a nível judicial", declarou o director da LABEH.

 

"Os responsáveis deviam pelo menos ser questionados para que o público saiba o que se passa", acrescentou Christopher Henry Samson.

 

A falta de acção das instâncias judiciais é uma preocupação central do relatório de corrupção da LABEH, e várias das recomendações são dirigidas à PGR e ao Provedor de Justiça, bem como ao Inspector-Geral do Estado timorense.

 

"Por vezes alguém diz, desculpando a corrupção, que 'é a nossa cultura'. Não, não é, e precisamos de a combater", afirmou o responsável da LABEH.

 

Os casos detectados pela organização "referem-se sobretudo a colusão e nepotismo, do género de alguém atribuir um contrato a uma pessoa da sua confiança, sem seguir as regras legais. Não é tanto uma corrupção financeira. Não detectámos grandes desvios de dinheiro, ou grandes desfalques", explicou Christopher Henry Samson.

 

"Este relatório é o mais justo. Não é agressivo", concluiu o director da LABEH.

 

PRM-Lusa/Fim

Por Zito Soares às 15:20
| Comentário

»Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

»Posts Recentes

» Que substituirá a Social-...

» Timor-Leste: MARI ALKATIR...

» Timor-Leste: INDONÉSIA VA...

» Quem derrubou as torres e...

» De St. Austell para Oxfor...

» Os encantos de Coimbra

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

»Arquivos

blogs SAPO

»subscrever feeds