Sexta-feira, 18 de Maio de 2007

Ramos-Horta promete manter a política de diálogo

Xanana Gusmão é agora favorito para o lugar de primeiro-ministro

 

DUAS VOLTAS e muita polémica à mistura marcaram a eleição de Ramos Horta como nove Presidente timorense. O Prémio Nobel e sucessor de Xanana Gusmão ganhou de forma clara ao seu rival Francisco "Lu Olo" Guterres por expressivos 69%. Aguarda-se agora que a chegada de Ramos Horta traga a estabilidade social que o país tanto necessita para finalmente partir para uma nova fase de desenvolvimento socioeconómico.

O recém-eleito Presidente garantiu que seguirá o trilho do diálogo para evitar os conflitos entre apoiantes das várias facções políticas, como já aconteceu há um ano atrás, quando confrontos entre polícias e manifestantes provocaram a mais grave crise social no país após a sua independência.

"Seguirei o seu exemplo de dirigir o diálogo entre a sociedade civil, a Igreja Católica e outros grupos com o Governo e o Parlamento como órgãos soberanos do Estado para resolver as nossas diferenças", declarou Ramos Horta em relação a Xanana Gusmão, o qual foi homenageado pelo seu sucessor num acto de despedida, terça-feira, em Díli.

Por seu lado, Xanana Gusmão referiu que estará sempre presente para ajudar o novo Presidente timorense e que não se afastará do circuito político do país, uma vez que se prepara para disputar as eleições legislativas de 30 de Junho pelo recém formado partido, o Conselho Nacional de Reconstrução Timorense (CNRT).

Xanana Gusmão está mesmo bem posicionado para ascender ao cargo de primeiro-ministro, isto fruto da sua posição histórica que ocupa no país enquanto símbolo da resistência timorense à ocupação indonésia.

Numa tentativa de intimidação aos militantes de outros partidos e tendo em vista as próximas eleições legislativas, o secretário-geral da Fretilin e ex-primeiro-ministro, Mário Alkatiri, denunciou hoje que várias casas de membros do partido foram incendiadas. Alkatiri pediu mesmo às forças de segurança da ONU para que abram um inquérito em relação a este incidente, já que, segundo ele, "existe uma estratégia para destruir a base do partido e derrubar o Governo eleito de maneira democrática".

Entretanto, na Europa, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, já enviou uma mensagem de apoio e felicitações ao recém-eleito presidente da jovem nação e no qual reafirma o total empenho da UE em ajudar à consolidação do projecto democrático de crescimento do país. "A Comissão Europeia está consciente dos enormes desafios que Timor-Leste vai enfrentar, durante a sua presidência, para ultrapassar a actual crise e atingir os seus objectivos em matéria de segurança nacional, de desenvolvimento económico e de estabilidade social."

 

Fonte: Semanário

Data: 18-05-07

Pág. 31

Por Zito Soares às 08:56
| Comentário

»Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

»Posts Recentes

» Que substituirá a Social-...

» Timor-Leste: MARI ALKATIR...

» Timor-Leste: INDONÉSIA VA...

» Quem derrubou as torres e...

» De St. Austell para Oxfor...

» Os encantos de Coimbra

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

» Memória da ocupação de Em...

»Arquivos

blogs SAPO

»subscrever feeds